Design

Qual o DNA da sua marca?

junho 27th 2010 | Postado por
dna

Imagem: sxc.hu

Peter Montoya, autor do livro A Marca Chamada Você, conta como criar uma marca pessoal dominante e irresistível para os negócios

Crie uma marca pessoal dominante e irresistível. Esse é o conselho de Peter Montoya, um dos autores do livro ‘A Marca Chamada Você’ e especialista em mídia e comunicação de marcas pessoais, para a sobrevivência das empresas e empreendedores neste mercado altamente competitivo. Montoya desconstrói duas ilusões muito comuns entre aqueles que iniciam um negócio. A primeira, a de que o público se importa com o seu negócio, quando, na verdade, ele nem sabe que existe. A segunda, a de que você oferece algo diferente e superior à concorrência, quando, de fato, oferta basicamente os mesmos produtos ou serviços. E como não cair nestas armadilhas? Criando uma marca pessoal irresistível.

“Grandes Marcas Corporativas (Apple, Nike, Disney) e grandes Marcas Pessoais (Oprah, Michael Jordan e Madonna) precisam trabalhar horas extras para permanecerem relevantes e poderosas. Isto não é uma tarefa fácil. Para sobreviver, não importa onde, primeiro esta marca (ou a pessoa por detrás dela) deve se especializar em um mercado grande, crescente e desejável. Em segundo lugar, a marca deve proporcionar qualidade superior por um longo período de tempo. E por último, a marca tem de garantir a evolução de seus serviços para permanecer relevante”, explica.


apple-nike-disney

Montoya destaca ainda que o sucesso de hoje não é apenas uma questão de “trabalhar duro e fazer um bom trabalho”. Ele depende também de causar uma impressão correta nas mentes das pessoas – com capacidade de comprar o seu produto ou serviço, ou ainda de promovê-lo. E causar esta boa impressão depende também de estar preparado para “vender” esta marca para atrair e manter os clientes por meio de especialização, total conhecimento da área que atua, desenvolvimento das qualidades materiais da marca, inclusive logotipo, Web Site, Catálogo e apresentação dos materiais, e da criação de um canal de comunicação para manter um contato estreito e permanente com clientes e potenciais clientes.


site_apple

Porém, dar o próprio nome para a empresa requer uma atenção especial e implica em cuidar de dois “negócios” – da companhia e da sua própria imagem. Isso porque, em determinados momentos os dois elementos se convergem. “Quando um fundador dá seu nome à empresa, sua marca pessoal e a marca da empresa são quase indistinguíveis. Isto é exemplificado pelas seguintes pessoas/empresas: Walt Disney, Oprah, Ralph Lauren. Todos os erros do fundador podem, temporária ou definitivamente, prejudicar a reputação e/ou o potencial de ganho da empresa”, alerta.

Walt Disney+logo

Montoya destaca em trechos do livro, que essa marca pessoal é tão forte que tudo o que você faz na sua vida profissional – e mesmo algumas das coisas que você faz publicamente na sua vida pessoal – afeta a sua Marca Pessoal. “Toda marca é um pouco como um navio com as velas estendidas, constantemente em equilíbrio com a força do vento que o move e que ao mesmo tempo deseja arrancar-lhe os mastros e afundá-lo.

Tome uma decisão equivocada no leme ou interprete mal o tempo, e você logo estará enviando um SOS e abrindo os botes salva-vidas. Uma Marca Pessoal sobrevive num delicado equilíbrio entre a promessa que você faz ao seu mercado, seus clientes e as suas ações diárias. Se a sua marca compromete-se a oferecer uma incrível experiência de atendimento ao cliente, você tem que proporcionar essa experiência pelo menos 90%. Toda vez que você falha, sua marca é ligeiramente danificada. Se houver fracassos o suficiente – muitas incoerências em relação à sua promessa – você arruinará sua marca. As pessoas começarão a pensar que a sua promessa é uma mentira e que você é um impostor.  Aí você naufraga”, salienta.

bola_fora

Cuidados com o veículo que você dirige, as roupas que você veste, onde você come, as instituições beneficentes que você ajuda, qual igreja você freqüenta, o quão limpo é o exterior do seu prédio, como sua casa é decorada, como você dá um aperto de mão etc, são coisas que irão refletir diretamente na sua marca. “Quando você se compromete a criar uma Marca Pessoal, você está realmente comprometido. Por isso é tão fundamental que sua marca reflita quem você realmente é – as coisas com que você se preocupa, as coisas de que você gosta, e como você vive. Se você não for autêntico, não conseguirá levar sua marca adiante a longo prazo”, conclui Montoya.

Fonte: HSM Online http://br.hsmglobal.com/notas/58011-qual-o-dna-da-sua-marca

A reprodução total ou parcial deste conteúdo é permitida mediante citação de fonte e inserção do link para o Portal HSM Online.

*Peter Montoya escreveu o livro A Marca chamada Você em parceria com Tim Vandehey, escritor, colaborador e editor independente.

1 Resposta para “Qual o DNA da sua marca?”

commenter

Gostei do artigo, miragem interessante. Fico com a frase ²Se você não for autêntico, não conseguirá levar sua marca adiante a longo prazo². Obrigado pela contribução.

Deixe uma resposta:

Você precisa estar logado para postar um comentário.